23 de julho de 2007

Não se pode dizer que o tempo da nossa morte seja rápido. Mas rápido não é o tempo que demora a nossa ressurreição.

15 comentários:

Putty Cat disse...

Antes de ir de férias, passei para te deixar o meu beijo.

Excelentes caminhadas!

Até um dia destes

a-bordo disse...

outro para ti, putty! boas férias!!!

Zimbro Vermelho disse...

;)

disse...

Boa tarde!
Antes de mais,parabéns pelo blog!
Ainda por cima com um tema ligado ao dia-a-dia da maioria de nós!

Convido-o agora a visitar também a acrescentar o meu link à vossa barra de links laterais:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Obrigado!

JOINCANTO disse...

"num momento, num abrir e fechar de olhos"

Ghernandes disse...

O que é oculto pertense a Deus
Deus abençoe

SILÊNCIO CULPADO disse...

Espero que tenhas tido umas boas férias e venhas rapidamente. Passei por aqui e vi o teu blogue a chorar convulsivamente com saudades tuas.

Bastet disse...

Eu, que desconheço o tempo de cozedura de uma razoável ressureição, vislumbro aqui uma relação de prémio/sacrifício entre o tempo de morte e o tempo de ressureição. Depreendo que o tempo da nossa morte seja o tempo desta nossa vida. Pergunto-te então, se este tempo de morte, qual claras em castelo, quanto mais batido a pau ou a varinha melhor bolo garante?

karvoeiro disse...

rapido lento alegro pianissimo

a-bordo disse...

tó: ... obrigado pela passagem e que viva o benfica!

a-bordo disse...

jo: ... e no nosso caso, vendo a mesma cidade!

a-bordo disse...

ghernandes: ,,, assim seja!!!!

a-bordo disse...

silêncio: ... férias a acabar! passa sempre!

a-bordo disse...

in questa vita, em linguagem culinária, bastet, a morte é sempre grossa, mesmo quando vazia... o problema é dar espessura à vida...

a-bordo disse...

karvoeiro ... e de novo rápido