29 de novembro de 2006

não que não jogue, mas não gosto de jogar xadrez com o pensamento: um pensamento à defesa, outro ao ataque, jogadas longas e extenuantes: casas brancas e negras, espaços vazios, damas, peões e rainhas; reis

3 comentários:

Pedro disse...

talvez mastigar?

a-bordo disse...

talvez, pedro, se mastigar fôr considerado instrumental; eu que ando um pouco para o lado das metáforas, diria tentando fazer-te crer que não há nisto nada de sentimentalismo, que deveria mastigar para o lado do coração... obrigado por apareceres por aqui.

Vítor Mácula disse...

Deve amar ;)

Nunca é demais lembrar essa pretensão etimologicamente expressa no termo "filosofia", mas que se põe geralmente de lado como se fosse um detalhe.

E não estou a falar de cátedras; porventura de banquetes e julgamentos.

Abraço.