4 de maio de 2005

Catolicismo 4. A confiança garante solidez na cadeia de conhecimentos disponíveis. Não só por isso, mas também, para o catolicismo, a confiança é fundamental. O católico soldado raso habitua-se a confiar no católico padre, este no bispo, o bispo no cardeal e o cardeal no papa. Mesmo quando existem dúvidas, quando o padre não se comporta como devia ser, quando o bispo é distante, o cardeal fuma, o Papa não é bem aquilo que deveria ser, o católico raso dissolve em grande medida essas dúvidas no seu hábito de confiança. Isto pode ser visto muito recentemente, em muitas reacções provocadas pela actual eleição do cardeal Joseph Ratzinger. É a confiança, o hábito da confiança, que leva o crente com reticências a suspendê-las, e a aceitar quem com todo o rigor não aceitaria. Para percebermos melhor isto: