11 de maio de 2005

Catolicismo 12. Então, o católico não abandona facilmente o seu catolicismo. Não é fácil abandonar hábitos de confiança. Primeiro, pela simplicíssima razão que não é fácil abandonar um hábito. Depois, porque quando se abandona a confiança, o barco fica à deriva. Quando se deixa de confiar num pai, num irmão, num amigo, num amante, navega-se em mar encapelado, na mais funda das dores, num fim difícil terminar, num início difícil de começar. Por isso, queremos confiar.