26 de abril de 2005

Alvin 29.
Jipe, tanto quanto podemos saber da psicologia marciana, mantinha-se calmo. Ouvia sem sobressaltos. Contudo, a dado momento, agitou-se. O agente Roberto dizia, levantando a voz e falando devagar: «sabia, caro professor, que o doutor Plantinga tinha comprado, há uns meses atrás, após inusitados esforços, algumas caixas do seu vinho ecológico? Sabia, caro professor, que o doutor Plantinga tinha desaparecido sem deixar rasto? Que há dias que ninguém o vê? Sabia, caro professor, que na casa do doutor Plantinga e mais particularmente no seu escritório, há mapas do distrito do Porto e mapas detalhados da vila de Amarante?» – O professor estava de boca aberta. Parecia parvo de todo. Fez-se silêncio. Mas, quando pensei que lhe iria dar uma síncope, vi-o virar-se para Jipe: «Jipe, porque me olhas assim!?»