17 de outubro de 2004

(13NP) Temos que começar pelo pecado. E começar por reconhecê-lo. Ao contrário daquilo que muitos poderiam julgar, tal tarefa não é fácil. Por isso, como deixamos aqui em post longínquo, isso é motivo para pedido e para oração, como se pode ler na bem mais longínqua oração de Efrém:

Senhor da minha vida
afasta de mim
o espírito do ócio
da tristeza
do domínio
e as palavras vãs.

Concede ao teu servo
o espírito de castidade
de humildade
de perseverança
e a caridade nunca falte.

Sim, meu Senhor e meu Rei
concede-me ver meus pecados
e não julgar o irmão.
Tu és bendito
nos séculos dos séculos.
Amén.

1 comentário:

Anónimo disse...

"O meu pecado está sempre diante de mim"mas concordo que queremos ser cegos. É preciso gastar todos os dias tempo no exame da consciiência, pedindo a luz do Espíritp para ver.Vítor Costa Lima. alfabeta.blogs.sapo.pt