13 de outubro de 2004

(9NP) Então, entre o ter ido ali e o ter de ir lá para baixo, sirva-se a esta hora da tarde mais uma fatia – e algum vinagre: «- Bem, a verdade é que os teólogos modernos tendem a ser, lamento dizê-lo, um tanto evasivos quanto à vida eterna. Mesmo os católicos.
- A sério!?
- Veja o Ser Um Cristão, de Küng, por exemplo. Um dos clássicos modernos. Se for ao índice remissivo, não encontra uma única referência a «vida eterna» ou a «céu». »(ib, id., p. 225)