14 de outubro de 2004

(11NP) Bernard não levou a mal a exclamação da tia. E tentou mesmo explicar-se. Mas como ainda chegaremos a ver inclinava-se mais para o Purgatório e não tinha do Inferno experiência, nem crença. O mesmo já não podia dizer Barontus em 679.

«Barontus caiu gravemente doente. Parece que foi levado numa jornada pelo Céu e pelo Inferno. (…) Na luta de Barontus nas margens da morte, foi a sua inteira identidade, consciente e inconsciente, que ficou em jogo:

O abençoado Pedro, dirigindo-se aos demónios, perguntou polidamente: “que crime tendes contra este monge?» Os demónios responderam, “Pecados maiores!... Ele teve três viúvas… Ele cometeu outros adultérios e muitos outros pecados…” E eles despejaram todos os pecados que eu tinha cometido desde a infância até então, incluindo aqueles que eu tinha totalmente esquecido.

Barontus regressou à terra, grandemente abalado, para contar a sua história.» (Peter Brown, A ascensão do cristianismo ocidental, 260).

Pena então que Bernard não o tenha ouvido.