6 de julho de 2004

Se lamentamos o que não temos, o que não somos, sem consciência do que somos e do que já temos, o exercício desvia-nos para a auto-complacência e da auto-complacência para a mentira.