2 de junho de 2004




Miguel Marujo analisa um tema quente da actualidade portuguesa e recoloca a questão do aborto. Carlos Cunha usa um belo excerto do salmo 51 como pedra de toque para discutir a tortura e o Iraque. Rui Almeida aborda a oração, jogada entre o ritual e a ousadia, o individual e o colectivo. O José dá-nos a primeira parte de uma fundamentação para o ecumenismo e para diálogo inter-religioso. Timóteo Shel argumenta em favor da manutenção do casamento, usando argumentos pouco amáveis aos ouvidos contemporâneos. O nosso barco mantém-se no casamento e defende que a voz de Letízia recoloca a questão do governo do conflito social.