24 de junho de 2004

«Lembrais aqueles italianos lendários, à espera da hora do ataque. De repente, o coronel levanta o sabre, transpõe o parapeito, avança sozinho através do fogo de barragem, gritando: Avanti! Avanti!, enquanto os seus soldados, sempre encolhidos no fundo da paralela de partida, electrizados por tanta valentia, batem palmas com as lágrimas nos olhos: Bravo! Bravo! Bravíssimo! » - Bernanos, Os grandes cemitérios sob a lua, 180.