13 de maio de 2004

Dizer que a memória é alterável pode levar ao espanto ou até a alguma indignação. A afirmação tem em si o seu quê de discutível. E pode perfeitamente dizer-se o contrário. No entanto, sem que saiba se isso afecta ou não a memória, posso pelo menos dizer que variam os modos como olhamos os dados que ela contem... Mais uma vez: não sei se isso muda a nossa memória. Sei, no entanto, que quando muda o crivo com que deixamos que o passado chegue até nós, se não estamos mudados, estamos pelo menos a caminho de sermos algo bem diferente daquilo que fomos.