23 de abril de 2004

«Uma Igreja que procura liquidar a sua oposição através do assassínio físico ou espiritual e que assim se torna, de comunidade do amor, em religião de carrascos, é uma Igreja que apostata do Evangelho de Jesus Cristo. Fracassa, quando quer separar o trigo do joio antes do fim, pretendendo assumir o lugar de Deus no julgamento. Ainda serão precisos argumentos, a uma Igreja que quer ser o Corpo de Cristo na caridade, para tornar claro que nem se pode pensar em destruição dos hereges, seja física, seja apenas “espiritual”?» (Hans Küng, A Igreja, 1º vol., Moraes Editores, Lisboa, 1967, 366.)