9 de março de 2004

«Seja qual for o critério ou o princípio ou as alianças avaliativas que o self emotivista professa, elas são construídos como expressões de atitudes, preferências e escolhas que não são governadas por critério, princípio ou valor. Por aqui se compreende que o self emotivista não tem história racional nas transições de um estado de empenhamento moral para o outro. Os conflitos interiores são para ele necessariamente confrontações de uma contingência arbitrária com outra. É um self sem continuidades (…)» (MacIntyre, After Virtue: 33)