1 de março de 2004

Disse-lhe eu: porque hei-de falar do que tu sabes?
Disse-me ela: porque assim não te ouço.
Disse-lhe: mas se eu falo.
Disse-me ela: mas eu não te ouço.
Disse-lhe eu: mas sobre que deveria falar?
Disse-me ela: de coisas que eu sei.
Disse-lhe: mas para quê se as sabes?
Disse-me ela: palerma! Então!? Para falares comigo!