15 de novembro de 2003

Os actos religiosos descritos em primadesblog são diferentes. É diferente um casamento, um baptizado ou um funeral. Dizer isto parece dizer algo óbvio. Parece mesmo uma palermice. Mas há que frisá-lo. Há também que frisar que na liturgia os momentos não são todos iguais... Há então uma diferenciação de actividades. E dentro de cada actividade, diferenciação de momentos...
Qual a razão deste sublinhado? – Numa cultura onde a diferença é tida como um dos valores fundamentais, não deixa de ser paradoxal a dificuldade contemporânea em ser sensível às múltiplas diferenças. Na incapacidade de compreender a diferenciação de actividades e de compreender a diferenciação dentro dessas mesmas actividades, a tendência é resolvê-las através de um maniqueísmo redutor. No quotidiano: - agora é que estou mesmo bem; agora é que estou mesmo mal… A política besta ou bestial. Na religião: bestas e bestiais. Por isso, se perguntamos o que fizeram de nós a tradição judaica e a tradição cristã, a dificuldade da resposta começa no hábito que temos de aceitar ou recusar tudo em bloco.

Ainda a propósito, mas no contexto das relações entre ciência e política, veja-se na Máquina de Turing: «a imagem a preto e branco está desfocada.» E o quadro aí utilizado: