29 de setembro de 2003

Andávamos no Parque da Cidade, nove horas da manhã. É uma altura curiosa. Grande número de idosos fazem a manutenção matutina. Uns correm. Outros marcham. Outros, simplesmente, passeiam. E surgiu a partir deles algo que se anuncia: a vida eterna.
Não foi anunciada directamente pelos idosos. Longe disso... Três jovens deficientes passeavam com os típicos chapéus brancos de pala amarela pelo Parque. Um deles, olhou-nos e disse: «olá!». O cumprimento foi um sopro de ternura. E um anúncio. De vida eterna,